Área do Cliente

5 PASSOS PARA SE TORNAR UM LÍDER MELHOR

Assim como qualquer habilidade, a capacidade de liderança pode e deve ser aperfeiçoada.

Sabemos que ter (ou ser) um chefe com atitudes tóxicas não faz bem nenhum a um negócio. Há, ainda, diferenças importantes entre chefiar e liderar uma empresa. Mas, afinal, como é possível aperfeiçoar o papel de líder?

De pesquisas a bons exemplos, cinco passos reunidos pela Entrepreneur podem ajudar nessa tarefa.

1. Dê os devidos créditos
Em um estudo da empresa americana de tecnologia BambooHR, mais de mil funcionários foram questionados sobre comportamentos que consideravam ruins entre os chefes. Cada um deles foi medido em uma escala de “totalmente aceitável” a “totalmente inaceitável”.

Para 57% dos funcionários, o fato de um chefe levar o crédito no lugar de outra pessoa é inaceitável. Já 44% disseram que um mau chefe seria a principal razão para que eles deixassem um emprego.

2. Seja um mentor e ajude as pessoas a crescer
Um dos motivos para que os chefes levem créditos indevidamentes está justamente em uma mentalidade autocentrada. Em alguns casos, a liderança também é vista como uma mera forma de ter prestígio e um salário mais alto.

Estimular os empregados e reconhecer suas ações, porém, pode fazer toda a diferença. Outro estudo, conduzido com 200 mil pessoas, mostrou que 79% dos funcionários já desistiram de um emprego por falta de valorização. O cenário poderia ser revertido com uma postura mais próxima e mentora.

3. Inove 
Uma das características que separa fundadores bilionários dos demais é a capacidade de ousar — figuras como Steve Jobs, Jack Ma e Bill Gates estão aí para mostrar isso. Um estudo do Harvard Business Review com 33 grandes líderes também mostrou que eles têm outros traços em comum. Ter foco no consumidor, criar um clima de confiança e inspirar os demais por meio de ações são alguns deles.

4. Esteja atento ao mundo digital
A liderança digital está se tornando cada vez mais relevante. Segundo um estudo da DDI, empresas que têm líderes mais capacitados digitalmente se saem 50% melhor financeiramente do que as demais. Mais do que habilidades técnicas, o sucesso também depende de atitudes.

5. Aprenda com quem você admira
É comum ver a capacidade de liderança como uma “benção” que algumas pessoas recebem e outras não. A premissa não só não é verdadeira como tira o foco de onde ele deveria estar. A liderança, assim como qualquer habilidade, pode ser desenvolvida e aperfeiçoada. Uma das formas de fazer isso pode ser justamente observar e aprender com bons exemplos.

 

fonte: revistapegn

BNDES CRIA FUNDO PARA INVESTIR ATÉ R$ 60 MILHÕES EM PEQUENAS EMPRESAS INOVADORAS

Iniciativa do banco de fomento visa estimular startups e empresas de setores que vão do agronegócio às cidades inteligentes

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai aplicar até R$ 60 milhões em cotas do FIP Anjo. O fundo de investimento em participações tem foco em empresas inovadoras, como startups, e com alto potencial de crescimento.

A iniciativa visa fomentar o investimento-anjo no país, além de estimular seu ecossistema de inovação. Trata-se do primeiro fundo com recursos do BNDES a permitir investimento em empresas com faturamento anual inferior a R$ 1 milhão e constituídas como sociedades limitadas.

As empresas de maior interesse são as dos setores de agronegócios, biotecnologia, cidades inteligentes, economia criativa, saúde, cidades inteligentes e tecnologia da informação e comunicação (TIC). Em um primeiro momento, o fundo deve investir em cerca de 100 startups, com valores entre R$ 100 mil e R$ 500 mil para cada.

A segunda fase de investimentos incluirá aportes de até R$ 5 milhões. Nesse caso, o foco estará em empresas com receita bruta entre R$ 1 milhão e R$ 16 milhões.

A seleção das empresas e a articulação com aceleradoras e investidores será feita pela Domo Invest. Os recursos totais do fundo poderão a chegar a R$ 120 milhões, dependendo da capacidade de captação.

As startups interessadas em apresentar seus projetos podem fazer um cadastro pelo site da gestora.

fonte: revistapegn

BANCOS CRIAM NOVA FORMA DE PAGAMENTO: O CREDIÁRIO NO CARTÃO

A modalidade, anunciada na última semana pela associação de empresas do setor, vai permitir o alongamento de prazos de pagamento, que poderão chegar a 36 meses

Ao colocar o cartão em uma maquininha, o consumidor vai se deparar com mais uma maneira de pagar as compras no crédito: o crediário.

A modalidade, anunciada na última semana pela associação de empresas do setor, vai permitir o alongamento de prazos de pagamento, que poderão chegar a 36 meses, e deve facilitar a vida dos lojistas.

No entanto, especialistas e associações de consumidores recomendam cautela no uso do produto e afirmam que ele pode gerar superendividamento se mal utilizado. Após optar pelo crediário, três simulações de financiamento vão aparecer na tela da maquininha.

Na sequência, serão apresentadas ao consumidor todas as informações da compra, como os juros cobrados e o valor total da transação. As taxas vão variar de 0,99% a 3,99% ao mês, de acordo com o número de parcelas e o perfil de crédito do consumidor. Os limites devem ser os mesmos do cartão de quem faz a compra.

O valor devido no crediário é subtraído do limite e vai sendo liberado conforme as prestações vão sendo pagas. A novidade do produto é que o ônus da operação deixa de ficar com o lojista. Quando uma transação é realizada no crédito à vista ou no “parcelado sem juros”, o dono do estabelecimento recebe o valor em um prazo a partir de 30 dias.

Caso queira antecipar o recebimento, paga taxa de desconto. Com a nova modalidade, o risco da operação passa a ser do banco emissor do cartão. O lojista recebe em até cinco dias úteis.Isso, segundo Rodrigo Carneiro, diretor de produtos da Rede, cria dois cenários positivos.

O pequeno estabelecimento que, pelas altas taxas, não conseguia oferecer alternativa de parcelamento mais longa ao consumidor, ganha uma opção. E, como o lojista receberá em um prazo mais curto, permite que o comprador barganhe descontos.Segundo o coordenador do laboratório de finanças da Fecap, Márcio Wu, a opção é bem vinda por ser mais uma alternativa para o consumidor.

No entanto, deve ser evitada, já que o ideal é que o comprador se organize para pagar à vista. “Caso não seja possível pagar à vista, o consumidor deve negociar um bom desconto na nova modalidade.”

Marcelo Kopel, diretor do Itaú Unibanco, acredita que o produto vai permitir que o consumidor tenha acesso a bens de maior valor agregado com uma parcela mensal menor.Já a planejadora financeira certificada pela Planejar, Angela Nunes, ressalta que o alongamento dos prazos em parcelas menores pode causar descontrole orçamentário. “Evite se endividar por compras que não são essenciais à sua vida”, diz.

fonte: revistapegn