Área do Cliente

Veja os 5 erros imperdoáveis em contas a pagar

O contas a pagar não é só verificar qual foi a lucratividade após concluir os pagamentos. Veja os cinco erros imperdoáveis que podem afundar sua empresa.

 

A administração financeira de uma empresa não inclui apenas conhecer a lucratividade ou quando ocorrerá o recebimento de um pagamento, mas também inclui saber o que se deve pagar. As contas a pagar, inclusive, podem garantir a ruína de uma empresa se não forem administradas corretamente. Como você não quer que sua empresa acabe declarando falência, veja – e evite – os cinco erros imperdoáveis em contas a pagar!

Não controlar as contas a pagar

Muitos empresários e gestores decidem não fazer um controle estrito do que deve ser ou do que foi pago porque acham que sabem tudo de cabeça ou que não haverá nenhuma surpresa na hora do pagamento. Porém esse se trata de um erro imperdoável porque sem controle é impossível fazer um planejamento financeiro correto, além de aumentar os riscos de ter que se fazer um pagamento imprevisto, como uma taxa a mais.

Dessa forma, sem o controle do que foi pago, como com um fluxo de caixa, perde-se a noção de quanto a empresa dispõe, de quanto já foi gasto, em que foi gasto e o que restou, prejudicando toda a gestão financeira.

Veja mais: Gestão financeira para micro e pequenas empresas: é mais simples do que você imagina

Desconhecer prazos

Não manter um controle do que deve ser pago também leva ao desconhecimento de prazos, o que inclusive pode fazer com que a empresa perca boas oportunidades de descontos já que pagar adiantado muitas vezes traz alguns benefícios.

A falta de conhecimento sobre os prazos também surge como um empecilho para que a empresa planeje o que pode ser gasto de acordo com a data das contas a receber. O resultado disso? A empresa está sempre na corda bamba e dependendo de recebimentos externos para poder se manter – e nem sempre o gestor se dá conta disso.

Atrasar pagamentos

Atrasar o pagamento de contas a pagar é outro erro imperdoável porque além de prejudicar os fornecedores também pode fazer com que o relacionamento de fornecimento fique abalado, levando à perda de condições facilitadas já conseguidas. Caso a empresa atrase com frequência as contas a pagar a um fornecedor, por exemplo, esse fornecedor pode impedir o pagamento parcelado ou a prazo, complicando a situação financeira da empresa.

Os pagamentos devem ser feitos em dia, para garantir relacionamentos com fornecedores que sejam duradouros e vantajosos para ambas as partes, além de evitar multas.

Misturar com contas pessoais

O dinheiro da empresa deve ser gasto para pagar as contas da empresa e fazer investimentos nela. Esquecendo-se disso ou simplesmente ignorando esse fato, não é incomum encontrar empresários que misturam contas pessoais com do trabalho. Quer um exemplo? O empresário está em sua empresa e de repente se dá conta que precisa pagar a conta de luz de sua residência. Apesar disso, ele está sem dinheiro em mãos e decide fazer o pagamento com o saldo da empresa.

Embora possa parecer inofensivo, esse hábito é altamente prejudicial para a empresa já que em determinado momento o empresário pode se ver usando o dinheiro da empresa para pagar mais contas pessoais do que da empresa.

Não considerar gastos pequenos

Por menor que seja um valor a ser pago, ele precisa ser considerado e entrar no balanço da empresa ou então a conta não vai fechar. É o caso, por exemplo, de a empresa gastar 1 real por determinada operação bancária. Pode não parecer um valor grande, mas a verdade é que a empresa faz 100 dessas ao longo do mês.

No final de 30 dias, o resultado é de 100 reais, o que ainda pode parecer pouco, mas em um ano são 1.200 reais. Em uma década, são 12 mil reais não contabilizados. Por isso, é indispensável manter um controle estrito sobre todas as contas a pagar por menores que elas sejam para garantir o máximo de eficiência.

Somados, esses erros imperdoáveis em contas a pagar minam as oportunidades da empresa e levam a um resultado financeiro muito aquém do esperado. Você comente algum desses erros? Conte para a gente nos comentários!

7 FRASES QUE NUNCA DEVEM SER DITAS DURANTE UMA VENDA

Expressões que mostrem desinteresse pelo cliente, pouca familiaridade com o produto ou falta de jogo de cintura podem custar a transação. Elimine-as do seu vocabulário!

Vender é uma arte e só quem a domina obtém bons resultados.  Para fazer com que um cliente compre um produto ou serviço é preciso atrair seu interesse, tratá-lo como uma pessoa única e fazer com se envolva emocionalmente com o que está sendo oferecido.

Para vender é preciso também estar em acordo com o cliente. Ou seja, se você diverge de algo, precisa encontrar a melhor maneira de expressar a discordância. Em vez de um “não é meu trabalho”, dizer “adoraria poder ajudar” é muito mais adequado e menos comprometedor para a concretização de uma venda.

O autor, empresário e especialista em vendas Grant Cardone listou para a Entrepreneur sete outras frases que nunca podem ser pronunciadas no momento de uma venda ou de uma negociação.

1 – “Não é meu departamento”
Assuma suas responsabilidades tanto nas vendas como em sua vida pessoal.  Nunca culpe a economia, outras pessoas ou as condições externas por um problema, eximindo-se de suas obrigações.

2 – “Confie em mim”
As pessoas estão céticas e desconfiadas em razão da avalanche de notícias sobre fraudes, corrupção, golpes e espertezas que leem todos os dias. Dizer “confie em mim” não ajuda ninguém a realizar uma venda. Pior, pode ter o efeito contrário.

Como as pessoas confiam mais no que veem do que no que ouvem, sempre que possível mostre a documentação necessária para apoiar seus argumentos, apresente fontes que comprovem as informações que está fornecendo e registre tudo o que oferece, propõe e sugere durante a apresentação.

3 – “Eu não o uso”
Usar os produtos que vende e saber com exatidão como funcionam são elementos essenciais para a concretização de uma venda, porque geram credibilidade. Se o comprador percebe ou sabe que você nunca usou o produto que está oferecendo não acreditará em seu valor. Lembre-se de que ninguém compra nada de quem lhe causa desconfiança.

4 – “É política da empresa”
Ninguém está interessado na política da empresa de quem está comprando algo. O que quer são produtos ou serviços que funcionem. Portanto, a frase não pode ser usada para justificar sua negativa de fazer algo que o cliente pede ou espera.  Talvez seja o caso de romper com a política da empresa e encontrar a solução que o satisfaça.

5 – “Somos competitivos”
A concorrência é boa para os consumidores, não para os vendedores. Você e sua empresa devem pensar em dominar o mercado, não em competir. Use todos os recursos que tiver à mão para ser a primeira marca que vem à cabeça dos consumidores quando pensam nos produtos ou serviços que oferece.

6 – “Pode estar acima do seu orçamento”
Nunca faça um prejulgamento da capacidade de compra de um consumidor. Trate todo comprador como tal, mesmo que você saiba, por qualquer meio, que ele conta com um orçamento limitado ou ele diga que não tem o dinheiro.

7 – “É meu dia livre”
Esteja sempre aberto a fazer negócios. Portanto, nada de não atender ao telefone, deixar de ler mensagens no WhatsApp ou não responder perguntas no Facebook ou Twitter, a não ser em casos de emergência.